Por que o mundo não esta com a Somália?

Ligado . Publicado em Missões

Por Ricardo Matioli

Quando começamos a servir entre os Som@lis no ano de 2002 uma matéria de um jornalista inglês me chamou a atenção: “A Som@lia está morrendo. Por que não nos importamos?” foi em resposta a este desafio que aprendemos amar e servir este povo. Passados todos estes anos e um ataque abalou Mog@díscio onde mais 300 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. Mais o que mais causou um grande impacto para todos nós foi que nas redes sociais e na noticias não causou uma indignação coletiva, como os acontecimentos na França, Itália, Inglaterra, Estados Unidos etc... Sim claro que muitos notaram uma resposta mais silenciosa aos eventos em Mog@díscio que em outras partes do mundo. Na África e no meio da população Somali os comentários eram: "O mundo é injusto, as mídias sociais podem atestar isso. 300 morreram na Somália e não estamos fazendo o mesmo que fizemos quando era Las Vegas"....

CartaMatioli2013Cab

Por que o mundo não esta com a Somália?

2017-10-18 16.03.47Quando começamos a servir entre os Som@lis no ano de 2002 uma matéria de um jornalista inglês me chamou a atenção: “A Som@lia está morrendo. Por que não nos importamos?” foi em resposta a este desafio que aprendemos amar e servir este povo. Passados todos estes anos e um ataque abalou Mog@díscio onde mais 300 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. Mais o que mais causou um grande impacto para todos nós foi que nas redes sociais e na noticias não causou uma indignação coletiva, como os acontecimentos na França, Itália, Inglaterra, Estados Unidos etc... Sim claro que muitos notaram uma resposta mais silenciosa aos eventos em Mog@díscio que em outras partes do mundo. Na África e no meio da população Somali os comentários eram: "O mundo é injusto, as mídias sociais podem atestar isso. 300 morreram na Somália e não estamos fazendo o mesmo que fizemos quando era Las Vegas". Um Som@li no Quênia disse: "Exemplo perfeito de como a solidariedade global só entra em jogo quando os brancos morrem". Outros colocavam em suas mídias algo como: "Nós choramos com a Somália. Confessamos que nossas lágrimas são muitas vezes limitadas ao Ocidente. Perdoe-nos. Desejamos paz a todos vocês". No oriente médio um paquistanês publicou que "Mais de 200 mortos em uma explosão na Som@lia, sem tendências, manchetes do twitter, a prova que o mundo é governada apenas pela política de poder e não pela humanidade” ou alguém disse "Vocês só se importam com seus hashtags quando são pessoas brancas e ricas".

Na verdade, a Som@lia é um exemplo perfeito de como os povos minoritários e excluídos são esquecidos pela sociedade global, seja aqui no Brasil, na Ásia, na África ou em qualquer outro canto da terra. Infelizmente nem mesmo a igreja e os cristãos escapam desta onda e a prova é que de todos os povos não alcançados do mundo na qual os Som@lis fazem parte, apenas 3% da força missionária e dos esforços da igreja global são deslocados para estes povos, o mais difícil é saber que apenas 1% de todo recurso capitado para missões chegam até estes povos. Sei que não precisam olhar para tão longe e ver que até mesmo em nossa nação se fizéssemos um levantamento para ver os recursos de pessoal e financeiro para projetos que promovam reconciliação, ajuda social, educacional ou qualquer outro tipo de ajuda ficaríamos chocados como Deus tem nos abençoado tanto e como temos feito tão pouco.

Mia Couto em seu Livro Estórias Abensonhadas disse que “depois de anos de guerra em Moçambique em que as armas tinham vertido luto, pensava eu, que restavam apenas cinzas e destroços. Tudo pesando, definitivo e sem reparo. Hoje sei que não é verdade. Onde restou o homem sobreviveu semente onde a violência não podia golpear, lá onde a barbárie não tinha acesso. Em outras palavras ainda existe esperança para um mundo que não se importa com a minoria e para uma igreja não enxerga o excluído. Em nosso entender Jesus Cristo a esperança para todos o mundo inclusive para os Som@lis.



Fonte: Ricardo Martins Matioli

MIAF - Missão Para o Interior da África